Notícias
Entrevista - 24 maio 2016
Entrevista de Reinaldo Canto na Nossa Rádio AM 700 sobre o livro. Confira!!
 
 
Entrevista - 6 maio 2016
Reinaldo Canto fala sobre o livro “Um dia (no dia) da Ana Luiza – Uma Aventura Ambiental”, entrevista concedida a estudante de jornalismo Marie Serafim.
Como que surgiu essa ideia? Era um projeto antigo que só agora pôde ser realizado?

Como já trabalho há bastante tempo com os temas ligados à sustentabilidade, meio ambiente e cidadania sempre tive vontade de ampliar as possibilidades dessa comunicação. Então, escrever um livro que abordasse essas questões era sim um sonho antigo. Graças à parceria com a Editora Chiado, finalmente consegui transformar esse desejo em realidade.

Por que fazer um livro sobre meio ambiente voltado para o público infantil ao invés do público adulto?

Eu acredito que as novas gerações estão mais propensas a entender e se sensibilizar com os impactos ambientais causados em nosso cotidiano. Nós adultos já estamos há muito mais tempo sendo bombardeados pela falsa ideia do consumo sem limites e dos recursos que nos pareciam infinitos. Já as crianças têm dado exemplos de que quando recebem informações sobre o tema acabam até mesmo influenciando seus pais, familiares e amigos para a importância de evitar o desperdício e fazer bom uso dos recursos disponíveis.

Qual a mensagem que você quer transmitir com este livro?

Eu acho que a principal mensagem é de que não perdemos nada em sermos mais conscientes. A menina do livro passa um dia totalmente normal e feliz sem que isso prejudique o seu cotidiano. Isso também pode ser feito por nós adultos. Aliás, o desperdício e os excessos é que trazem infelicidade e não a ponderação, o bom senso e o consumo consciente.

Como foi o processo de produção dele? Teve dificuldades?

É sempre muito difícil iniciar um projeto em que você possui pouco conhecimento. Há toda uma ciência por trás do lançamento de um livro e ainda estou aprendendo bastante. Nessa tarefa a Editora Chiado tem ajudado muito com a paciência necessária para orientar um novato como eu.

Por que do título? Teve alguma inspiração?

Aí foi uma conjunção de fatores. O nome da menina é o da minha filha e a ideia do “dia no dia” faz relação com a inserção da consciência num dia qualquer de uma garotinha.

Há um possível lançamento internacional?

Sim!! E espero que em breve (risos). Como a Chiado é uma editora portuguesa espero que numa segunda edição o livro já seja traduzido para o espanhol e distribuído em outros países europeus. Aliás, de certa maneira, essa carreira internacional já começou, o livro foi impresso em Portugal e exemplares do livro estão disponíveis por lá.

O que as crianças podem aprender com este livro e aplicar na vida delas?

Basicamente que elas só precisam cuidar de usar bem o que está à sua volta. E importante essa pergunta, pois também tive o cuidado de não jogar responsabilidades exageradas nas costas das crianças. Mesmo que num determinado momento a personagem converse com uma vizinha e com os pais para que evitem os excessos, as crianças não devem ser responsáveis pelas necessárias transformações em nossos hábitos de consumo. Nós adultos é que precisamos assumir esse papel para que as futuras gerações recebam um planeta melhor para se viver.

Por que é importante ensinar as crianças a cuidarem do meio ambiente?

Porque dele dependemos para viver e ter uma boa qualidade de vida. Essa realidade, já deveríamos estar aplicando há muito mais tempo, mas pelos apelos de consumo e bombardeios incessantes da publicidade, infelizmente deixamos o bom senso de lado. A consciência das novas gerações trabalhadas desde a mais tenra idade poderá contribuir para que tenhamos uma geração de cidadãos mais responsáveis.

Quais são os benefícios que isso traz/ traria para a sociedade? Quais legados poderemos esperar?

Principalmente acreditar que teremos uma sociedade que valorize mais o ser do que o ter. Algo bem diferente do que temos hoje. Nesse caso, os ganhos serão na redução dos impactos ambientais, mas também uma sociedade humana e solidária, capaz de compartilhar e dividir mais do que competir e acumular riquezas para si mesmo.

Em sua opinião, qual a melhor forma ou linguagem para ensinar as crianças sobre os cuidados com o meio ambiente?

No meu caso e pela minha experiência, acredito que o bom humor é um caminho a ser trilhado nessa comunicação com as crianças. Dessa maneira podemos tentar passar boas informações de maneira leve e divertida, sem assustar ou preocupar em demasia esses pequenos seres ainda em formação. Pelo menos essa foi a minha ideia com esse livro. Mas com certeza devem existir outras ótimas propostas de comunicação eficientes e que tenham a capacidade de obter bons resultados para a conscientização das crianças sobre os cuidados que devemos ter com o meio ambiente e o bom uso dos recursos naturais.

Como as escolas poderiam agregar o assunto "meio ambiente e sustentabilidade" em sua grade curricular?

Acredito que esses temas ao lado da cidadania deveriam estar presentes em todas as matérias curriculares, pois são temas cruciais para o futuro da humanidade. Seja no estudo da matemática, ciências ou geografia, por exemplo, seria possível também se falar de sustentabilidade. Por que não?

 
Entrevista - 07 junho 2016
Bate-Papo: Agê - Ilustrador

1- Qual foi seu primeiro contato com o mundo dos cartuns? Foi ainda na infância que você descobriu seu talento para desenhos?

AGÊ - "Como toda criança de minha época, li muito gibi e histórias em quadrinhos. Pegava folhas de papel em branco e tentava copiar os desenhos com todos seus detalhes. Lembro-me que ainda criança em Santos, criei e desenhei todo à mão e colorido com lápis de cor, um gibizinho ao qual dei o nome de "ESPOLETA". Foi muito engraçado porque ao mostrar para meus colegas de escola todos queriam comprar. Combinamos então o seguinte: a cada mês eu desenhava um exemplar (e olha que era o único), fazíamos um sorteio e o vencedor levava o gibi. Depois mudei de colégio e a brincadeira acabou mas continuei desenhando só para mim.

Por outro lado, quando tinha lá meus 10 ou 11 anos os cartuns que eu via nas revistas, jornais e até no cinema chamaram minha atenção e comecei também a copiá-los com um detalhe: modificava um ou outro aspecto do desenho procurando dar um ar mais pessoal àquilo que eu chamava de "meu" cartum. Foi quando descobri que tinha talento e facilidade para criar bonecos e personagens em situações as mais diversas.

Talento esse que, acredito, herdei de minha mãe pois sem nunca ter sido uma profissional, desenhava muito bem.

2- Pela sua experiência, há um modo específico para ilustrar para as crianças? Se tiver, qual seria?

AGÊ - Sem dúvida que existe! ilustrar para crianças requer um preparo e cuidado muito especiais e, dependendo da faixa etária, o desenho tem suas características distintas.

Precisamos lembrar que os pequenos de hoje convivem com uma parafernália tecnológica, seja computadores, internet, celulares, tem mais conhecimentos do mundo que os cerca, estão antenados e não engolem qualquer coisa.

3- Qual foi sua inspiração para criar as ilustrações do livro? Teve alguma dificuldade?

AGÊ - Baseado no texto do Reinaldo (autor e parceiro nesse projeto) procurei transmitir através das ilustrações, como seria um dia na vida de uma menininha chamada Ana Luiza, que tenta conscientizar seus pais para um fato recorrente nos dias de hoje: os cuidados com o meio ambiente.

Tendo isso como ponto de partida o trabalho fluiu sem dificuldades.

4- Como foi seu planejamento para abordar o tema ambiental em um livro infantil?

AGÊ - Foi um trabalho conjunto entre eu e o Reinaldo que é grande conhecedor e especialista no assunto.
Estudávamos cada detalhe das ilustrações, enquadramento, as cenas, postura dos personagens,
etc; somente depois é que ele aprovava e as artes eram finalizadas.

5- Qual a sensação de fazer parte de um projeto que visa a educação ambiental para as crianças através da leitura?

AGÊ - Como artista e na condição de ilustrador acho que fiz minha parte colaborando com muita satisfação nesse projeto. Agradeço ao Reinaldo pela oportunidade.
A sensação? A de termos feito um bom trabalho!

 

Livro
Um Dia (no dia) da Ana Luiza
2016 - Reinaldo Canto
Todos os direitos reservados - www.umdiadaanaluiza.com.br

REINALDO CANTO jornalista,
Celular (11) 99976-1610
E-mail: reicanto@gmail.com
www.reinaldocanto.com.br